Fácil… extremamente fácil: os aprendizados da mudança.

A frase de Leonardo Da Vinci “Simplicidade é a máxima sofisticação” há muito tem um significado importante pra mim. Em meu trabalho como consultora, em treinamentos, e até em conversas informais… sempre fui adepta à ideia de que basta o mundo com suas complexidades… precisamos é simplificar as coisas!

Normalmente me refiro principalmente a processos e ferramentas de gestão. Precisamos simplificá-los. E temos tido grandes resultados com esse pensamento (mais isso é assunto para outro post).

O que desejo compartilhar com você hoje, é a experiência que estou vivendo. Exatamente agora. Neste instante.

Estou “acampada”. Amanhã vou me mudar. De casa mesmo. Estamos nos mudando para outro endereço na mesma cidade. Mas mesmo que seja dentro da mesma cidade, muita coisa tem parecido diferente para mim.

Desde uma semana atrás estamos na fase de “encaixotar as coisas”. É caixa que não acaba mais… e entre uma caixa e outra, aprendizados.

Eis alguns deles:

1- Guardamos coisas demais!
Pensando que “um dia poderemos voltar a usar”, guardamos coisas demais. Itens que utilizamos uma única vez. Itens que nunca utilizamos. Itens que, se pensarmos friamente, nunca mais usaremos. Itens que estão um pouquinho estragados e “é só uma olhada, uns consertos aqui e outros ali que fica bom de novo”. Por que fazemos isso? Insegurança? Medo do futuro? “Herança” italiana (essa não pode ser porque meu marido tem outra ascendência e é exatamente assim também!)? Não sei. O que sei é que acumulamos coisas desnecessárias. Isso às vezes acontece com os sentimentos. Rancores inúteis que guardamos para “quem sabe… se um dia eu precisar para me defender”! Mágoas que hoje nada significam… são páginas viradas… mas que insistimos a nos lembrar. Para que? Para absolutamente nada. Melhor deixar o lugar “vazio” para coisas boas e novas do que armazenar “tralhas” que nada tem de utilidade. Só ocupam espaço, um espaço valioso que poderia ser bem melhor utilizado.

2- Podemos viver com muito menos
Tenho vivido (e muito bem!) com 03 mudas de roupa nos últimos dias. Eu, meu marido e minha filha. Cada um com três. Não sou consumista. Ou melhor… achei que não fosse consumista. Mas descobri que sou. Costumo usar o básico pra não perder tempo em frente ao guarda-roupas de manhã e para enfrentar o dia e todos os seus compromissos com a mesma roupa. Por isso de defino como “básica”. Mas mesmo assim… quanta roupa parecida!!! “Vários modelos de camisa básica”. Pode? Isso contando somente sobre minhas roupas e acessórios. Imagina o restante da casa! Decidi me desfazer de muuuita coisa. Que leveza que dá!!! Você não imagina… Eu nem imaginava. Ando mais livre, leve e solta depois disso. Experimente viver com menos. É libertador!

3- Devemos nos desfazer de algumas coisas (mesmo algumas boas)
Ao revisar os itens, doei vários que estavam praticamente novos. Roupas, brinquedos, itens domésticos. Como tenho me sentido melhor sabendo que outras pessoas poderão usufruir daquilo que estava guardado num canto do armário! Tente se desfazer de itens que normalmente você não doaria para uma campanha do agasalho, por exemplo. Doe algo mais importante, mas que não seja imprescindível para você. Você ficará melhor ainda consigo mesmo ajudando outras pessoas.

4- Limpeza da casa é limpeza interior
Você não precisa “mudar de casa” para mudar de vida. Claro que uma mudança de casa pode ser o principal gatilho para decidir mudar de vida. Mas você pode, mesmo sem mudar de casa, mudar alguns móveis de lugar… pintar uma parede de cor diferente… trocar as almofadas… mudar de hábitos… usar aquele jogo de mesa que sempre guardou para um momento especial (que mesmo vivendo muitos momentos especiais, você nunca usou!). O mundo está em movimento e a nossa casa pode acompanhar isso. A nossa vida pode acompanhar isso. Por que não? Fiz uma limpeza (na casa e interior) e a partir de agora tudo que é bom, novo, caro que eu tenho em casa, usarei no dia-a-dia! Afinal… todo dia é especial! Se temos saúde, comida, trabalho, uma casa para morar, uma família para amar, já temos motivos suficientes para comemorar! Podemos fazer todos os dias serem especiais! Assim ficamos até mais leves pra corrermos atrás de nossos “grandes sonhos”!

5- Devemos valorizar o que temos
Ao abrir caixas, armários, arquivos… descobri o quão feliz tenho sido com as escolhas que fiz! Momentos maravilhosos que tenho vivido e que devido à correria do dia-a-dia acabo esquecendo de relembrar para me impulsionar diante dos obstáculos diários. Sua casa é seu refúgio, seu aconchego. É lá que você recarrega as baterias para enfrentar esse mundão! Cuide bem dela e das pessoas que nela habitam. É o que há de mais importante, sem dúvida.

Simplifique! As relações. A rotina. As tomadas de decisão. A vida.

Ela pode ser mais fácil e feliz se a gente quiser.

Grande abraço!